A estrada para o inferno é feita de asfalto
Foto: Wikimedia.

A estrada para o inferno é feita de asfalto

Apesar de ser muito usado, o asfalto quase nunca é o melhor material para pavimentar uma rua. Tijolos, paralelepípedos e blocos costumam ser opções muito melhores.

12 de fevereiro de 2024

A maioria das ruas é pavimentada com asfalto. Infelizmente, existem muitos problemas com o asfalto. Tijolos, paralelepípedos e blocos costumam ser opções muito melhores, porque:

1. O asfalto se degrada rápido, então, uma vez que você leve em conta a manutenção, ele é mais caro do que parece inicialmente

O asfalto envelhece e se desintegra com rapidez. Precisa ser substituído após 10 ou 15 anos e começa a apresentar desgaste antes disso. Forma buracos e rachaduras rapidamente, especialmente em climas extremos. Inicialmente, é mais barato de instalar, mas ao longo do tempo, fica muito mais caro.

Enquanto isso, estradas de tijolos e paralelepípedos podem durar 150 anos ou mais – na verdade, os paralelepípedos ainda em uso na Via Ápia, em Roma, têm mais de 2.000 anos! Esses materiais não precisam de muita manutenção, e se um único tijolo quebrar, essa peça individual pode ser substituída facilmente. 

O asfalto não envelhece bem. Fonte: devonzuegel.com
Construída durante o Império Romano, a Via Ápia ainda está em uso. Fonte: devonzuegel.com

2. Modificar o asfalto custa caro e deixa marcas

Sempre que uma equipe de construção precisa realizar trabalhos subterrâneos sob uma estrada asfaltada, eles têm que remover todo o asfalto e remendá-lo depois – e nunca fica tão liso quanto era antes. Isso acrescenta custo e tempo a qualquer projeto rodoviário, o que geralmente não é levado em conta quando a estrada é originalmente construída. Se fosse, o asfalto não pareceria uma opção tão barata.

Com materiais como tijolos ou paralelepípedos, as equipes podem facilmente levantar pedras individuais para acessar o solo abaixo, e depois as substituem quando terminam. “Quando as equipes de construção concluem seus trabalhos subterrâneos, a camada de base de cascalho pode ser recompactada e os blocos originais recolocados”, explica Preservation Chicago. “Muitas vezes é impossível ver onde os blocos foram mexidos”.

Cada mudança na infraestrutura embaixo da sua rua será visível como uma marca no asfalto. Fonte: devonzuegel.com
É muito menos invasivo retirar materiais modulares e colocá-los de volta. Fonte: devonzuegel.com


3. O asfalto absorve calor

Devido ao fato do asfalto absorver muito calor, em dias quentes, o asfalto pode estar até 14°C mais quente do que outras superfícies próximas! Ele não só torna menos agradável caminhar em um dia quente – como também aquece os edifícios próximos, aumentando a demanda de energia para o ar-condicionado.

Os pavimentos modulares tendem a se sair melhor no clima quente, porque os espaços entre cada peça permitem uma pequena quantidade de fluxo de ar, liberando calor mais facilmente. Essa maior relação entre área de superfície e volume faz uma grande diferença.

Dito isso, nem todos os pavimentos modulares são iguais. Tijolos de cores mais claras permanecem muito mais frios do que pavimentos de concreto ou terracota mais densos. Entre os paralelepípedos, o calcário polido reflete mais a luz solar e aquece de maneira mais eficiente do que a rocha vulcânica ou rio, por exemplo. E entre as lajotas, o granito de cor clara suporta o aquecimento melhor do que a ardósia ou a bluestone, que podem ficar bastante quentes sob o sol forte. A porosidade também desempenha um papel, com blocos perfurados transferindo calor mais rapidamente do que o calcário permeável.

O lado bom é que você não vai precisar de uma frigideira – você pode fritar um ovo direto na rua! Fonte: devonzuegel.com

O lado bom é que você não vai precisar de uma frigideira – você pode fritar um ovo direto na rua! Fonte: devonzuegel.com

4. O asfalto racha no frio

O asfalto fica duro e quebradiço no frio. Isso torna difícil para o asfalto suportar o estresse causado pelos carros que passam sobre ele. O asfalto também encolhe no frio, aumentando o estresse. Isso causa rachaduras na superfície, permitindo a entrada de água. A água se expande quando congela, agravando o dano. O asfalto é uma escolha particularmente ruim para lugares com invernos congelantes.

Superfícies modulares lidam melhor com o clima frio, porque são compostas por muitas peças menores que podem se mover ligeiramente quando o solo congela e descongela. Esse movimento ajuda a prevenir rachaduras. Evitar rachaduras significa que a água tem menos chance de entrar no material, o que previne o pior dos danos.

Fonte: devonzuegel.com
Fonte: devonzuegel.com


5. O asfalto é feio

O asfalto não é muito atraente, mesmo quando é novo, e só fica mais feio com o tempo. Pode ser mais barato inicialmente do que outros materiais de revestimento, mas o corte de custos aparece. Escolher um material barato envia um sinal de que este é um espaço de menor prioridade do que outras partes de uma comunidade.

Materiais alternativos dão mais charme às ruas. Ao contrário do asfalto, eles se tornam mais adoráveis à medida que envelhecem – com o tempo, desenvolvem ainda mais personalidade, com musgo ou líquen encontrando lugares para se fixar. Além disso, eles têm mais probabilidade de serem feitos de materiais locais.

Fonte: devonzuegel.com
Fonte: devonzuegel.com

6. O asfalto emite poluentes nocivos

O asfalto libera emissões prejudiciais como compostos orgânicos voláteis (COVs), dióxido de enxofre e partículas finas quando é produzido e aplicado. Essas emissões contribuem para a poluição do ar, o que pode levar a problemas respiratórios e questões ambientais como neblina e chuva ácida. Fazer asfalto também libera dióxido de carbono, um gás de efeito estufa que contribui para as mudanças climáticas.

O processo de fabricação de pavimentos de concreto ou tijolos geralmente libera menos COVs e partículas. Como a instalação de pavimentos não requer tanto calor, ela consome menos energia e resulta em emissões mais baixas de dióxido de carbono. Isso torna esses pavimentos uma opção mais ecológica em termos de qualidade do ar e redução de gases de efeito estufa.

Fonte: devonzuegel.com
Fonte: devonzuegel.com


7. O asfalto tem uma drenagem ruim

O asfalto é uma membrana impermeável que repele a água ao invés de permitir que ela permeie o solo. Mesmo poças rasas podem persistir por períodos prolongados sobre o asfalto. Isso contribui significativamente para problemas de inundação, pois a água não tem para onde ir além de transbordar pelos meio-fios e se acumular em outros lugares.

Esses problemas de drenagem são exacerbados pela tendência do asfalto de rachar e formar buracos ao longo do tempo. Em vez de repelir uniformemente a água, estradas rachadas direcionam a umidade diretamente para o solo abaixo a uma taxa mais rápida que o normal.

Outros pavimentos são projetados para absorver lentamente a água da chuva. Seu design entrelaçado inclui pequenas lacunas entre cada unidade que permitem que a água da chuva penetre no solo em vez de se acumular na superfície. Isso ajuda a drenagem a acontecer como a natureza pretende, reduzindo e retardando o escoamento. Em vez de sobrecarregar bueiros e esgotos, a umidade é absorvida com segurança através do sistema poroso.

Materiais modulares diferentes têm níveis diferentes de porosidade, mas quase todos têm melhor desempenho de drenagem do que o asfalto.

Isso não quer dizer que o asfalto seja sempre a escolha errada. Ele seca rapidamente, é fácil de reparar e é mais barato inicialmente – é uma ótima ferramenta para se ter no kit, especialmente para regiões com climas moderados. Mas 93% das estradas (nos EUA) são pavimentadas com asfalto! Acredito que ele simplesmente é muito usado, e deveríamos considerar outros materiais, especialmente para ruas residenciais e secundárias.

Fonte: devonzuegel.com
Fonte: devonzuegel.com


A estrada para o asfalto é pavimentada com incentivos

Diante de todos os aspectos negativos do asfalto, você pode se perguntar “por que o asfalto é tão predominante se existem opções melhores por aí?” Em grande parte, é por causa do fluxo de caixa. O fluxo de caixa é um dos maiores desafios na incorporação imobiliária – esse é um negócio em que você investe muito dinheiro inicialmente e depois o recupera ao longo do tempo.

Os incorporadores muitas vezes são motivados por incentivos de curto prazo ao escolher materiais para projetos de construção. Eles precisam gerenciar despesas imediatas e garantir que o projeto seja concluído dentro do orçamento.

Além disso, quando um incorporador constrói um projeto para vender, ao invés de alugar, sua responsabilidade termina assim que as unidades são vendidas. Isso significa que eles não são afetados diretamente pelos custos de manutenção a longo prazo. Da mesma forma, autoridades municipais eleitas por mandatos específicos podem priorizar economias imediatas sobre despesas a longo prazo. É mais provável que sejam reeleitas por reduzir as despesas da cidade este ano do que por reduzir suas responsabilidades a longo prazo, que só aparecem décadas depois.

Por outro lado, se os desenvolvedores mantivessem a responsabilidade a longo prazo por seus projetos – como alugar unidades em vez de vendê-las diretamente – teriam um interesse direto em reduzir os custos de manutenção. Essa mudança poderia incentivar o uso de materiais mais duráveis e econômicos a longo prazo, beneficiando tanto o desenvolvedor quanto os inquilinos. A dinâmica dos aluguéis gera um cenário vantajoso para ambas as partes, com despesas a longo prazo mais baixas para o desenvolvedor e uma melhor qualidade de vida para os inquilinos.

Prós e contras do design de tijolos, paralelepípedos e pavimentos

Materiais modulares também têm prós e contras de design, é claro. Uma desvantagem comum é que eles podem ser irregulares demais para andar de bicicleta. No entanto, é possível encontrar opções que proporcionem uma pedalada suave, se você procurar por elas. Aqui estão dois exemplos que vi pessoalmente:

O condomínio Alys Beach usa um material encantador chamado Belgian Cobble que cria uma superfície bastante lisa e mantém os benefícios dos materiais modulares, como a alta permeabilidade. Fonte: devonzuegel.com

O loteamento Culdesac Tempe usa blocos intertravados para que a superfície seja lisa o suficiente para pedalar. Fonte: devonzuegel.com


Os materiais modulares também tendem a reduzir as velocidades do tráfego, já que criam uma superfície que não é tão contínua quanto o asfalto novo ou o concreto. Em um projeto de instalação de tijolos, a velocidade média caiu de 65 km/h para 46 km/h. Isso representa uma diminuição de 30% na velocidade, e um risco de morte aproximadamente 4 vezes menor quando um pedestre é atingido por um veículo.

É claro que essa redução de velocidade pode ser algo bom ou ruim dependendo do contexto. É ótimo para ruas residenciais e comerciais, porque você não quer carros correndo por esses lugares de qualquer maneira. No entanto, em avenidas e rodovias principais, não funcionaria tão bem, porque o objetivo dessas estradas é mover as pessoas o mais rapidamente possível.

Precisamos parar de planejar projetos principalmente por planilhas, onde os fatores dominantes são custos que podem ser medidos facilmente. Existem fatores que não são refletidos nesses cálculos que afetam não apenas a qualidade do lugar que você está criando, mas também o ônus financeiro que a comunidade terá que suportar por décadas.

Sua ajuda é importante para nossas cidades.
Seja um apoiador do Caos Planejado.

Somos um projeto sem fins lucrativos com o objetivo de trazer o debate qualificado sobre urbanismo e cidades para um público abrangente. Assim, acreditamos que todo conteúdo que produzimos deve ser gratuito e acessível para todos.

Em um momento de crise para publicações que priorizam a qualidade da informação, contamos com a sua ajuda para continuar produzindo conteúdos independentes, livres de vieses políticos ou interesses comerciais.

Gosta do nosso trabalho? Seja um apoiador do Caos Planejado e nos ajude a levar este debate a um número ainda maior de pessoas e a promover cidades mais acessíveis, humanas, diversas e dinâmicas.

Quero apoiar

LEIA TAMBÉM

COMENTÁRIOS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

  • Cesar Mariano disse:
    Seu comentário está aguardando moderação. Esta é uma pré-visualização, seu comentário ficará visível assim que for aprovado.
    Concordo quanto as colocações de pavimentação com asfalto x paralelepípedos x intertravados de concreto ou mesmo concreto monolítico. Mas há que se considerar a necessidade da manutenção, em vias de tráfego intenso, que tem que ser muito rápida, por conta do transtorno que causa no trânsito. Os paralelos e intretravados são de execução manual, o que, invariavelmwnte é bem lento. Entretanto, entendo que optar pelo asfaltamento deva ser sempre estudado. Já o concreto monolítico, que também tem execução lenta, é muito mais caro inicialmente. Só é um problema fazer quaisquer visitas, como instalações da concessionárias de serviços (água, energia, telefonia, gás), pois é de difícil rompimento e recomposição. Agora, não cabe comparação nas fotos que estão postadas. Pois as vias de asfalto são sempre de grande tráfego e as demais são calçadas de pedestres e ruas internas de bairro.